Lagos Fujikawaguchiko e Motosuko – visitando o Monte Fuji

Terminada nossa estadia em Tóquio, nosso destino foi outro símbolo do Japão: o Monte Fuji.

A montanha icônica geralmente é visitada (leia-se, vista) pelos turistas desde Hakone, para onde é muito fácil fazer um bate-e-volta desde Tóquio. Entretanto, lemos em muitos lugares que os pontos de visualização do Monte Fuji em Hakone são extremamente limitados e muito cheios.

Começamos, então, a pesquisar outras opções para ver o chamado Fuji San e nos deparamos com essa imagem linda na internet:

musgo - motosuko

Foto: Japan Guide

O Fuji Shibazakura Festival é um dos mais importantes no país. Tapetes de musgo rosa (chamados phlox moss) florescem, formando uma paisagem linda com o Monte Fuji ao fundo.

O festival pode variar suas datas desde o meio de abril ao começo de  junho. Pesquisamos e, em 2016, o festival iria de 16/abril a 29/maio, bem quando estaríamos lá!!

O Fuji Shibazakura fica a aproximadamente 3 kms do Motosuko Lake, um dos 5 chamados Fuji Lakes.

Dos 5 lagos, o mais acessível e com melhor infraestrutura turística é o Lago Fujikawaguchiko, onde decidimos nos hospedar. Para chegar até Fujikawaguchiko, basta pegar a linha de trem Fujikyuko (da JR, porém não servida pelo Railpass) na estação Otsuki de Tóquio. A parada final do trem é a estação de Kawaguchiko.

Durante o período do festival, há um shuttle bus (Shibazakura Liner), que conecta a estação Kawaguchiko à entrada do festival e parte de 1 a 2 vezes por hora. O ticket não é barato (2000 yens), mas inclui também a entrada ao festival. O percurso dura 30 minutos.

Ficando uma noite em Fujikawaguchiko, no dia seguinte você pode conhecer a cidade e o próprio Lago Kawaguchiko, que também tem vistas bem bonitas do monte.

Nós pegamos o primeiro trem que saía de Tóquio e chegamos cedo na estação Kawaguchiko. Antes de deixar nossas coisas no airbnb que ficaríamos hospedados, perguntamos na estação sobre o ônibus que levava ao festival e fomos informadas que o festival ainda não tinha começado!

Isso, aliás, é uma coisa muito comum no Japão. Eles levam flores muito a sério e, mesmo que as datas dos festivais ou de abertura de alguns parques estejam marcadas, caso as flores ainda não estejam no seu auge eles não abrem e pronto. Como nós estávamos bem no meio de abril, isso aconteceu bastante com a gente. Se estiver por lá mais no final do mês ou no começo de maio, as chances são menores.

De qualquer forma, decidimos que iríamos vistar o Lago Motosuko mesmo sem o festival. Embora ele seja o mais afastado deles e o mais difícil de acessar, é dele que se tem uma das imagens mais famosas do Monte Fuji, a que está na nota de 1000 yens.

Fora do período do festival, não há muita opção de transporte público para o Lago Motosuko. Um ônibus sai da estação Kawaguchiko a cada uma ou duas horas, para na avenida principal de Motosuko e custa 1100 yens o trecho. Da avenida principal até o view point da paisagem famosa, são bons 20 minutos à pé.

A moça da informação turística da estação Kawaguchiko nos informou que os, dos ônibus que fazem a linha até Motosuko, alguns ônibus vão só até a cidade e outros continuam para  Fujinomiya ou Shin Fuji, passando no caminho pelo view point que queríamos visitar.

Quando entramos no ônibus, perguntamos ao motorista se ele não passaria pelo view point, ele nos disse que sim e pedimos para que ele nos avisasse quando chegássemos lá. Toda a comunicação é meio complicada, mas mostrar a figura na nota de 1000 yen pode te ajudar hehe.

Essa caroninha economizou pra gente os 20 minutos de subida montanha acima. A volta, que fizemos à pé, pelo menos foi na descida.

Fomos para o Motosuko Lake porque naquele dia estava um céu muito limpo e um sol lindo. Tinhamos lido em diversos lugares que era muito difícil pegar um dia com visibilidade boa do Monte Fuji, então decidimos aproveitar.

IMG_3319 (Small)

Estrada para o Motosuko Lake

O caminho do Kawaguchiko Lake até o Motosuko Lake é lindo, feito todo por uma estrada que vai beirando os lagos e, de quebra, ainda passa pelos Lagos Saiko e Shojiko. Ou seja, dos 5 lagos, acabamos conhecendo 4.

O Lago Shojiko também tem uma vista bem linda do monte, logo na parada do ônibus. Foi uma das fotos mais bonitas que tiramos dele!

IMG_3337 (Small)

Monte Fuji do Lago Shojiko

O dia estava lindo, o caminho estava lindo, estava tudo ótimo e estávamos super empolgados. Foi a gente descer do ônibus no view point do Motosuko (o da nota de 1000 yens) pro monte ser encoberto por algumas nuvens. Dava para vê-lo bem, mas o cume nevado contra o céu clarinho prejudicou bastante a aparição nas fotos.

IMG_3325 (Small)

Monte Fuji – tímido – do Lago Motosuko

Quando chegamos de volta ao ponto de ônibus, o tempo limpou e o Fuji ficou bem aparecido, limpo, lindo e …….. num lugar que era impossível tirar foto dele!

IMG_3334 (Small)

Lindo, mas escondido atrás de árvores e fios

De volta a Fujikawaguchiko, aproveitamos que o dia estava relativamente bom e continuamos nossa saga do Monte Fuji! A cidade oferece um ônibus circular, esquema hop on hop off, que passa nos principais pontos turísticos e é a melhor forma de deslocar-se.

As melhores vistas são do próprio Lago Kawaguchiko, mais especificamente da margem norte. Nós fomos até o Oishi Park, que fica bem à beira do lago e tem ótimas vistas. Como era final do dia, o monte já estava praticamente já todo encoberto.

IMG_3365 (Small)

Fuji já praticamente encoberto do Lago Kawaguchiko

IMG_3360 (Small)

A visita ao parque, entretanto, vale a pena, porque ele tem jardins bem bonitos e, se estiver na época das Sakuras, uma alameda linda de cerejeiras!

IMG_3349 (Small)

IMG_3345 (Small)

Caso decida visitar, prepare-se porque essa região dos lagos é muito fria. No final da tarde, no Oishi Park, já estávamos congelando e tudo o que queríamos era um banho quente e cama. Paramos só num supermercado perto do hotel para comprar um bento para levar!

No dia seguinte, já tínhamos visto na previsão do tempo que o céu estaria encoberto quase o dia inteiro, o que dificultaria bastante qualquer paisagem panorâmica.

Aliás, uma pausa para a previsão do tempo do Japão, sempre muito correta e acurada. Até os horários de início e fim da chuva eram certos (usamos a do Iphone mesmo), o que nos ajudou a programar bastante nossos dias!

Nossa opção foi, então, ir para o próprio monte. Já que não iríamos conseguir vê-lo de longe, decidimos vê-lo de perto rs! Da estação Kawaguchiko saem ônibus que levam à Quinta Estação do Monte Fuji, a mais alta que se pode chegar sem escalá-lo.  O valor do ônibus é de 2100 yen ida e volta e a viagem dura cerca de uma hora (cada trecho).

No dia em que fomos estava realmente muito nublado e, por essa razão, a quinta estação estava fechada – os ônibus estavam indo apenas até a quarta. Como não teríamos outra coisa melhor para fazer mesmo, decidimos ir.

IMG_3388 (Small)

Em cima do Fuji

Na quinta estação  há diversas lojinhas e até um templo, mas tinha lido que o melhor mesmo era a vista dos lagos que se tem do Komitake Shrine, atrás das lojas. Não visitamos, mas deixo a dica.

Na quarta estação não tinha muita coisa além de um restaurante e uma loja, mas a sensação de estar pisando no Monte Fuji, cercadas pelas nuvens, também foi legal.

IMG_3395 (Small)

Check-in no Fuji hehe

Para preencher o resto do dia, optamos por fazer uma degustação de saquê. Em Kawaguchiko há vários museus turísticos, mas nenhum chamou muito a nossa atenção. Então aproveitamos que os saquês fabricados na região dos lagos do Monte Fuji são famosos no país para fazer um tour pela Ide Sakê Brewery, que mostra todos os estágios de preparação da bebida e é finalizado com uma degustação de cinco tipos da bebida.

IMG_7784 (Small)

Aprendemos o básico sobre a bebida, inclusive seus diferentes tipos e formas de polimento do arroz. No final, pudemos até provar um saquê não pasteurizado (muito difícil de encontrar, pois é quase impossível importá-lo pelas formas de conservação). Embora a degustação não incluísse esse tipo, nosso tour pela pela fabrica foi feito por uma das donas, que foi extremamente simpática!

IMG_7798 (Small)

Nossa anfitriã fofa. Kanpai!

A fábrica ainda fica na casa que é de propriedade da família há anos e ela nos levou para conhecer algumas construções, que são feitas no estilo tradicional japonês.

Finalizamos nosso dia jantando um tradicional houtou, prato local que é uma espécie de sopa de udon achatado com vegetais. O que a diferencia do udon é que a massa é preparada mais ao estilo de dumplins do que de noodles. O local mais famoso para provar o prato é o restaurante Houtou Fudou, que fica bem em frente à estação.

IMG_7780 (Small)

Fazendo o que fizemos de melhor no Japão: comer!

No dia seguinte, já deixaríamos a área dos lagos e partiríamos para outra região do Japão.

Advertisements

One thought on “Lagos Fujikawaguchiko e Motosuko – visitando o Monte Fuji

  1. Pingback: Nabana no Sato – Iluminação de Inverno | Diários de Férias

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s