Patagônia – Planejamento e Roteiro

Visitamos a Patagônia Argentina e Chilena no réveillon de 2014 para 2015. Foi uma viagem meio inesperada, pois conseguimos as passagens em uma promoção de milhas de última hora. Como não contávamos com a viagem (e os custos dela) tentamos fazer um esquema mais low cost, considerando, claro, a época do ano.

As passagens internacionais foram SP > Ushuaia e Punta Arenas > SP. Fizemos o trecho de Ushuaia > El Calafate com a cia aérea argentina LADE (se puder, vá de Aerolíneas!) e os trechos de El Calafate > Puerto Natales e Puerto Natales > Punta Arenas de ônibus com as cias Zaahj e BusSur, respectivamente (passagens diretamente com eles por e-mail).

Como sempre, tudo que podíamos fazer sem guia e agencias, fizemos. Fechamos com agências apenas os serviços e passeios que não tinham outro jeito mesmo (por exemplo, os passeios de barco).

Com relação ao $, nós levamos reais. Muitos estabelecimentos aceitam real e a conversão é infinitamente melhor do que a das casas de câmbio. Aliás, há pouquíssimas delas. Nossa maior fonte de pesos argentinos foram os trocos das coisas que pagamos com os reais, principalmente nos restaurantes. No Chile, acabamos tendo que sacar alguns pesos chilenos.

O roteiro da viagem completa ficou assim:

Dia 01 – Ushuaia

Dia 02 – Ushuaia

Dia 03 – Ushuaia

Dia 04 – Ushuaia > El Calafate

Dia 05 – El Calafate

Dia 06 – El Calafate

Dia 07 – El Calafate – Puerto Natales

Dia 08 – Puerto Natales (Torres del Paine)

Dia 09 – Puerto Natales > Punta Arenas

Dia 10 – Punta Arenas > SP

Pra facilitar, os relatos estão separados por partes: Ushuaia aqui, El Calafate aqui e Puerto Natales (Torres del Paine)/Punta Arenas aqui.

Obs Maíra: eu optei por fazer a Patagônia de carro. Foram mais de 2 mil kms rodados, mas achei que valeu muito a pena! Meu roteiro ficou assim:

Dia 1 – Deslocamento Punta Arenas (chegamos até lá de avião vindos de Santiago pela SKY  e alugamos um carro) – Puerto Natales. 

Dia 2 – Puerto Natales (Torres del Paines)

Dia 3 – Puerto Natales (Torres del Paines)

Dia 4 – Puerto Natales – El Calafate (de carro, atenção porque há fronteira de países)

Dia 5 – El Calafate 

Dia 6 – El Calafate

Dia 7 – El Calafate – Ushuaia (avião, pela Aerolíneas)

Dia 8 – Ushuaia

Dia 9 – Ushuaia

Dia 10 – Ushuaia – El Calafate (avião), El Calafate – Punta Arenas (carro)

Dia 11 – Punta Arenas – Santiago – SP (avião pela SKY e pela TAM)

Algumas considerações:

1 – O ideal seria alugar o carro em Punta Arenas, devolve-lo em El Calafate e depois voltar direto de Ushuaia para o Brasil de avião. Entretanto, morri de procurar e não encontrei uma agência que permitisse pegar o carro no Chile (Punta Arenas) e devolver na Argentina (El Calafate). Então nosso roteiro ganhou um dia a mais que foi praticamente inteiro utilizado para voltar de Ushuaia para Punta Arenas (cansativo!!). 

2 – Optamos por ir a Ushuaia de avião e não de carro porque ela ficava muito afastada de El Calafate (e também de Punta Arenas – embora menos). Deixamos o carro em El Calafate e depois voltamos para buscar. 

3 – Se olharem no mapa, o roteiro não faz muito sentindo, uma vez que não fizemos uma linha reta do norte ao sul. Se fossemos seguir a ordem geográfica, o roteiro seria El Calafate -> Puerto Natales (Punta Arenas é o aero mais perto) -> Ushuaia. 

O problema é que, embora o aeroporto de Punta Arenas seja muito mais próximo de Ushuaia do que o de El Calafate, o vôo que sai de Punta Arenas vai para Buenos Aires, passa cerca de 7 horas por lá e depois volta para Ushuaia. Assim, optamos por ir para Ushuaia desde o aeroporto de El Calafate, que tem um vôo direto entre as cidades de cerca de 1 hora. 

4 – Como podem ver, para fazer a Patagônia de carro o roteiro perde um pouco de otimização (e esse é um dos motivos pelos quais muita gente desiste do aluguel – além do preço não ser muito barato, especialmente em decorrência da quantidade de diárias necessárias). No entanto, a liberdade de ir e vir sem depender de mais ninguém é sempre um plus bem-vindo e eu não me arrependi da escolha. 

5 – Uma opção a todo esse deslocamento de carro pode ser o seguinte (mas envolve muito mais logística e organização):

a) chegar desde o Brasil em Punta Arenas, pegar o carro e ir até Puerto Natales/Torres del Paines;

b) devolver o carro em Puerto Natales (não chequei se alguma locadora permite pegar em uma cidade e devolver na outra mas, por ser o mesmo país, deve ser possível);

c) pegar um ônibus (não há vôo direto – ônibus é a melhor opção) até El Calafate e alugar um outro carro em El Calafate para os dia que passar por lá;

d) devolver o carro em El Calafate e ir para Ushuaia de avião. Alugar outro carro em Ushuaia para conhecer a região de forma mais independente; e

e) pegar o vôo de volta pro Brasil desde Ushuaia.

Com certeza, esse roteiro economiza dias e quilômetros, mas considere que a passagem de borda vai ficar mais cara, pois chega pelo Chile e volta pela Argentina.

Veja também:

Patagônia – Planejamento e Roteiro

El Calafate – Cidade dos Glaciares

Ushuaia – Fim da América

2 Dias Inteiros no Parque de Torres Del Paine – Relato Maíra

Torres del Paine (Puerto Natales e Punta Arenas) – Relato Karine

Advertisements

8 thoughts on “Patagônia – Planejamento e Roteiro

  1. Pingback: Torres del Paine (Puerto Natales e Punta Arenas) | Diários de Férias

  2. Pingback: El Calafate | Diários de Férias

  3. Pingback: Uma Passadinha em Viña Del Mar | Diários de Férias

  4. Pingback: Ushuaia – Fim da América | Diários de Férias

  5. Pingback: 2 Dias Inteiros no Parque de Torres Del Paine | Diários de Férias

  6. Estou planejando ir a Ushuaia, El calafate e Bariloche em abril de 2017, 12 dias (fora os 2 perdidos no traslado). Aqui no Brasil, a cotação oficial do peso/real entre setembro e outubro de 2016 estava variando entre 0,214 a 0,206 centavos de real para 1 peso, lembrando que cotação oficial somente vale para as compras efetuadas no exterior com cartões, converte-se em dólares, depois em reais e por fim cobra-se a fatura no Brasil. Numa grande rede de casa de câmbio de âmbito nacional (tem em várias capitais) a cotação real/peso variava entre 0,34 a 0,31 centavos de real para 1 peso. Eu optei pelo seguinte modo, a cada mês eu trocava 1000 pesos em notas de 100 e 500 entre setembro a dezembro 2016, dava entre 340 a 314 reais por mês e isso me deu um lastro de 4300 pesos argentinos para pagar tudo por lá durante a viagem, caso não fosse suficiente, eu trocarei as notas de 50 e 100 reais que levarei como segurança, fora os cartões travel money já carregados em dólares. Para viajar pela América Latina passarei a fazer isso, comprar nessa grande casa de câmbio e já levar do Brasil uma boa quantidade mas não tudo na moeda local, perde-se muito tempo fazendo câmbio nos passeios e nessa vida para tudo há um preço.

  7. Oi Paulo, você fez um ótimo negócio, obrigada por compartilhar a dica. Vale lembrar que a cotação do cartão nem sempre equivale à comercial (não chegam a cobrar o turismo, mas eles fazem uma conta maluca – e, é claro, indecifrável – e chegam num valor). Realmente, quando estamos viajando é uma chatice ter que parar para ficar trocando dinheiro e em vários lugares você consegue um preço bom se pagar em dinheiro! Você vai amar essa viagem, sem dúvida um dos lugares mais lindos que já vimos! Mande notícias!

  8. Olá! Estou planejando desde de avião em Punta Arenas e ir de carro até porto Natales e depois a El calafate. O relato de vocês está me ajudando muito! Muito obrigada!
    Gostaria de saber como foi atravessar a fronteira com o carro alugado, se foi tranquilo ou não é fácil.
    Obrigada

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s